Belintani Advogados

Artigos

04/09/2020

A relação entre LER e DORT e o sofrimento psíquico do trabalhador

Muitos trabalhadores possuem dores musculoesqueléticas  que são as doenças nos ossos, articulações, músculos, tendões, ligamentos, bursas ou uma combinação destes quadros. As disfunções musculoesqueléticas são conhecidas como LTC (lesão por traumas cumulativos), LER (lesões por esforços repetitivos) e DORT (distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho).  O que muitos não sabem é que sintomas de depressão, desânimo, baixa autoestima, irritabilidade, incapacidade de visualizar perspectivas positivas, distúrbio do sono, etc, ou seja, os distúrbios psicoemocionais estão associados aos osteomusculares.

Quantos trabalhadores não estão comprometidos com a saúde física e mental?

Segundo estudos científicos, há duas investigações  sobre o tema:

A primeira seria que a organização do trabalho influencia diretamente os efeitos à exposição às demandas físicas (aumento da duração ou intensidade da exposição à repetitividade, à força e às posturas anômalas) sobre o sistema musculoesquelético;

A segunda seria que a organização do trabalho atuaria sobre as respostas ao estresse (fisiológicas, psicológicas e comportamentais), influenciando assim a ocorrência dos distúrbios musculoesqueléticos, através dos mecanismos neuroendócrinos sobre a atividade muscular.

Conforme já tratado no artigo sobre assédio moral e a relação com a saúde mental do trabalhador, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o ambiente psicossocial do trabalho inclui a cultura organizacional, bem como atitudes, valores, crenças e práticas cotidianas da empresa que afetam o bem-estar mental e físico dos trabalhadores. Foram citados vários exemplos de riscos psicossociais, ficando como dica de leitura.

Foi na década de 90, já em 1999 que o psiquiatra Luiz Henrique Borges defendia em sua tese de doutoramento sobre o sofrimento psíquico em caixas bancários e a LER. Por ocasião do estudo, iniciado em 1995, verificou a “presença e a associação entre distúrbios psicoemocionais e osteomusculares.”

Todo trabalhador tem direito ao meio ambiente de trabalho sadio. O professor Raimundo Simão de Melo, leciona que “meio ambiente de trabalho adequado e seguro é um direito fundamental ao cidadão trabalhador (lato sensu). Não é um mero direito trabalhista vinculado ao contrato de trabalho.”

O trabalhador também tem direito à saúde mental  e a convenção da Organização Internacional do Trabalho (OIT), n. 161, ratificada pelo Brasil, trata dos Serviços de Saúde do Trabalho e dispõe que “os requisitos necessários para estabelecer e manter um ambiente de trabalho seguro e salubre, de molde a favorecer a saúde física e mental ótima em relação ao trabalho” e “a adaptação do trabalho às capacidades dos trabalhadores, levando em conta seu estado de saúde física e mental.”

Portanto, não é o trabalhador que tem que se adaptar ao trabalho e sim o oposto.

É preciso entender o trabalhador que sofre com sua saúde mental decorrente das atividades que diariamente exerce. Afinal, o trabalho é para dignificar o homem.

Voltar

Compartilhe no WhatsApp

Gostou do nosso conteúdo?

Inscreva-se para receber!

Desenvolvido por In Company